segunda-feira, 29 de março de 2010

EFEMÉRIDES

Posso revelar meus estudos na astronomia.
Sou um corpo celeste invisível.
Posso explorar meu sideral, meu satélite, minhas fases com meu óculo. Posso inventar um novo telescópio refrator e conseguir observar atentamente passos na minha rua, a Nebulosa de Oríon e Andrômeda, e ainda, umas quantas variáveis e distantes estrelas reconhecidas já pela ciência.

Agora revelo meus estudos na astrofísica.
O princípio fundamental da análise espectral.
Posso depender da tua equivalência de emissão e absorção.
Usando meu telescópio, constatei de fato que as estrelas são feitas dos mesmos elementos encontrados na Terra. A química das estrelas é comparável a do Sol, pois seu estado físico é considerável de diversidades indicativas. Então, posso ser uma estrela.
Você também.

Hum... a morte dos segundos....

As antigas civilizações tinham idéias interessantes sobre o universo, e eu? Uso de técnica desconhecida para fazer minhas ligações.

Introduzo um sistema de constelações de origem não conhecida. Estou sozinha nas noções desse tempo, mas consegui estabelecer a ciência em progressão.
É surpreendentemente exata para o propósito que se destina, das efemérides anuais, eventos celestes esperados como aniversário.

Já na astronomia sideral, digo que no reino da gravitação das estrelas binárias, você fica com a sua e eu com a minha, sim, porque existem três ou quatro estrelas que giram em torno de apenas uma. Não vou girar por você, nem com você e nem perto de você. As estrelas múltiplas constituem por incrementos progressivos, a sua órbita complexa.
Posso no máximo pegar teu endereço depois...

Todos podemos ser estrelas variáveis já que alguns não possuem brilho próprio.
Algumas dessas estrelas são aparições temporárias que aparecem vindas quase do nada, e “explodem” em luminosidade e “apagam-se” lentamente até quase sua extinção.
Meus empreendimentos práticos foram, no entanto, ultrapassados e defasados diante uma coincidência de números.

O plano geométrico do meu sistema foi assim exposto com uma intuição magnífica. Mas o seu verdadeiro significado foi reservado a um Estranho.
Contudo, a lei da gravidade me salva, dizendo que cada partícula de matéria atrai outra com uma força diretamente proporcional a sua massa, e inversamente em versos à distância.

Na ausência de provas suficientes, fico num estado de equilíbrio dinâmico mapeando a existência de um massivo corpo, orbitando em meu universo.
A distância entre dois corpos celestes pode ser medida pelas mudanças aparentes nas posições quando vistas de diferentes pontos de observação.
Então, a medida da nossa distância só pode ser subentendida pelo ângulo que quero. Mas este ângulo é infinitesimal.

Por isso cerca de poucas estrelas teriam boas dimensões.

Um comentário:

Luiz Cabelo disse...

Obrigado. Escreves muito bem, é uma honra pra mim!

Os meus vazios cheios

De tanta filosofia quero água morna Correr na grama para longe de gente morta Invisíveis olhos negros, pérolas negras Me levem daqui, lon...